Ele seria uma bela nota de rodapé


Era um dia quente, mas havia uma brisa forte e gelada. Iria chover a qualquer momento. Eu assistia-o se locomover até onde eu estava. Seu cabelo levemente bagunçado pela pressa em chegar. Haviam pequenas flores que caíam da grande árvore no canteiro central do qual ele passara. 

Eu estava do outro lado, com as pernas em formato de lótus, mexendo num livro sem conseguir me concentrar. Estava nervoda. Esse tipo de coisa não costumava acontecer comigo, mas quando se tratava dele, ah, então eu era outra. Passava mal, perdia as palavras, ficava esperando uma mensagem. Ele era aquele tipo de pessoa da qual as pessoas admiram, mas que temem se aproximar. Sua timidez fazia as pessoas terem cautela ou até mesmo não insistir muito numa conversa. Mal sabiam elas que por dentro ele era outro. Extrovertido, brincalhão, diria que até um sedutor experiênte - ou eu me sentia uma boba quando ele estava perto -, a questão é que ele não percebia nada disso. 

Não se achava merecedor, ou o excluído, aquele que não se adapta ou que não sabe como flertar com uma garota. Ele tinha era dificuldade de lidar com pessoas rasas. Talvez eu fosse uma delas, já que ele me olhava com um misto de receio e de desejo, o que me deixava ainda mais nervosa. Ele não demonstrava estar verdadeiramente interessado em mim, o que me deixava nessa constanhte dúvida. Eu me entrego, digo o que sinto ou fico esperanhdo ele achar que gosta de mim, e então tomar iniciativa? 

Mas, não fou naquele dia florido, agradável e apaixonante que eu decidi contar. Eu, boba que sou, decidi me declarar contando que gostava de um menino, enviei a mensagem de texto e esperei retorno, não veio. Falei então, abrindo meu coração, que não sabia lidar com isso, com a ideia de gostar tanto dele e que parecia não ser recíproco. 

Então a resposta veio. Ele respondeu com todo o carinho em um texto gigantesco, dizendo que se eu gostava tanto dele era pra dizer, que não me faria bem guardar e que aposto que o menino estaria sim afim de mim, afinal, "você é encantadora". Fiquei mais de 30min encarando aquela mensagem, foi quando resolvi dizer. "Então, eu conversei com um amigo e ele me aconselhou a te dizer que, bem, que eu gosto muito de você. E, eu queria saber o que você sente quanto a isso?"

Uma torturante hora se passou, então meu celular brilhou. Era uma mensagem dele. "Eu sinto o mesmo. Mas, acho que agora não posso mais te dar o que você espera que eu lhe dê."

Eu, chocada, não entendi, resolvi ligar. Liguei uma, duas, cinco, dez vezes. Foi quando uma voz feminina atendeu. "Alô?". eu exitei "Oi, é, eu queria falar com o Vini, ele está?" houve silêncio por um longo minuto "Alô?" perguntei, "Olá, qual o seu nome mesmo querida?", estranhei, sua voz parecia engasgada de choro, "É Aline" falei por fim. 

Estava preocupada nesse momento, não entendia a tensão no ar nem o porquê de ele não atender o celular, foi quando ela me tirou dos meus devaneios infantis com a trágica notícia, "O Vini, minha querida, ele, bem, ele foi... foi atropelado enquanto atravessava a rua. O celular ficou em pedaços, mas resgatamos o chip, foi quando você ligou. Querida, sente-se ok? Vou terminar de contar." ela disse quando abri a boca pra falar, "O Vini não está mais aqui, ele se foi. Eu sei que vocês estavam num lance há tempos, ele sempre me falava que estava falando com você ou indo ver 'sua amiga Aline', sinto muito pela nossa perda, ele era um bom filho. Ele nem conseguiu se inscrever na faculdade de medicina, havia passado em três vestibulares, mas acho que estava relutante em escolher porque todas eram em outro estado. Eu sou mãe dele e perdi minha vida. Se quiser me ver, ou pegar alguma coisa sua que esteja com ele, meu endereço é..." foi quando eu parei de ouvir.

Não podia estar acontecendo, ele havia me enviado a mensagem. Parei então e tomei forças para perguntar: "Qual foi o horário do atropelamento?", ela parou e depois de uns segundos respondeu "16h33min" dei tchau e desliguei. Olhei o celular. Sua ultima mensagem fora enviada às 17h, ele foi atropelado lendo a minha mensagem, talvez enviando aquela resposta. Ou, talvez, o amor da minha vida havia sido um anjo.  

Hoje, depois de 4 anos da morte do Vini posso dizer que sinto menos sua falta. Sou paramédica. Ajudo as pessoas, salvo vidas, perco algumas, diria que nesse mar de histórias se cruzando em um gigantesco livro, o Vini, meu querido Vini, seria uma bela nota de rodapé. 
"Vinícius, 25 anos, olhos azuis, meio verdes, meio cinzas, cabelo bagunçado e um sorriso tímido. Eu o amava, e sei, que onde quer que ele esteja, ele ainda me ama."

255. "Eu não sabia o que estava acontecendo naquele momento".

12 comentários:

  1. Caramba estou meio em choque,adorei o jeito como você escreveu,triste,mas de uma beleza sem igual,isso me lembra um pouco um episódio de uma série que eu gosto,parabéns :)
    Beijos ^.^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Qual é a série flor? Gratidão! Eu escrevi para um amigo meu.

      Excluir
    2. Doctor Who,da oitava temporada.
      Muito lindo,de verdade <3

      Excluir
    3. Meu pai assiste!!!! <3 Gratidão!

      Excluir
  2. Coisa de filme. Cheguei nesse texto porque fiquei intrigado com o título e fui surpreendia pelo enredo. Parabéns.

    Blog Profano Feminino

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahah então, eu não costumo escolher títulos com muito sentido. No caso desse, uma vez eu disse pra um amigo, "tu seria uma bela nota de rodapé", e ficou.

      Excluir
  3. Uou! Que texto, a história parece que vai se transformar num belo conto de amor e daí, você tira tudo da gente!!! rsrsrs
    Já disse que seus textos são amor demais né?! Esse não podia ser diferente! Adorei a narrativa, que cativa e prende a atenção. Parecia que estava na cabeça da protagonista!
    E o enredo, ahhh, esse foi perfeito! <3
    xoxo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahahah ain ain ain eu fico tímida demais!!!!! Gratidão flor!!!

      Excluir
  4. Oie, tudo bem? Primeira vez aqui no seu cantinho e simplesmente amando seus textos. Cada conto, cada enredo, mexe com nossos sentimentos e prende a atenção, é impossível não querer saber como termina cada um deles. Esse é simplesmente incrível. Parabéns! Beijos, Érika ^.^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Visite sempre que quiser e sinta-se em casa!!! <3

      Excluir

Deixe um comentário aqui!
Comentário sujeito a moderação.

Era uma vez, uma menina... © Copyright 2011 - 2016. - Versão 9. Little nymph. Ilustração Martina Naldi. - Original de Muryel de Oliveira. Tecnologia do Blogger.