"Como ser solteira" nos fazendo pensar sobre relacionamentos

Eu estava na praia, meu namorado se mostrou um exímio jogador de Play2 (o que me deixou um pouco triste, porque eu não esperava isso dele), eu estava emocional demais por causa da menstruação e apesar de termos levado muitos filmes para assistir acabamos não assistindo muitos dele. Mas, numa manhã que eu não quis ir pra praia ficamos e assistimos esse: "Como ser solteira" (link do adorocinema para quem não viu aqui). A princípio achamos (principalmente ele, mas vou acreditar que ele estava brincando) que seria um filme idiota, mas acabou sendo exatamente o contrário, fiquei horas refletindo sobre e cheguei a diversas conclusões!

A personagem principal é a Alice, ela sai de um relacionamento longo depois de decidir que precisa aprender a cuidar de si sozinha, porque é o que nós vemos todos os dias, nós (principalmente as mulheres, acredito eu) saímos da casa dos pais pra morar com o namorado ou casar, mas ninguém nos apóia a morar sozinha, tem que ter sempre uma "colega de quarto" ou "amiga" pra dividir o apê porque parece que é inconcebível a ideia de uma mulher jovem, sem ter tido um relacionamento como um casamento antes, sair de casa pra ter sua própria casa simplesmente porque quer!

Há uns anos atrás eu pensava em sair de casa exatamente como a Alice, eu queria saber me cuidar antes de querer "cuidar de alguém" ou "que alguém viesse a cuidar de mim", mas eu era superprotegida pela minha mãe, agora ela não faz mais isso com tanta frequência quanto antes, mas faz ainda. Aparentemente eu sou uma pessoa que "inspira cuidados", como disse certa vez um ex-ex meu, e posteriormente o namorado anterior ao João (o atual). Só que, eu não queria mais uma pessoa pra cuidar de mim, eu só queria saber me cuida. As vezes a gente sabe, as vezes a gente precisa de um colo, alguém que faça brigadeiro de panela ou um chazinho de madrugada. 


O que eu quero dizer é que a sociedade e nós mesmos fazemos com que isso se propague ainda em 2017! Tipo, a menina do filme em questão ACHA que já sabe se cuidar depois de uns bons meses de festa e sexo casual, só que o ex já tem outra! Ela fica mal, ok, fica. Aí sai mais um pouco, já tem seu próprio apê, mas acaba sempre recorrendo a irmã mais velha. Então ela conhece outro cara, mas ele não superou a perda da esposa e não quer que a Alice seja como uma mãe ou faça esse papel pra filha dele, porque esse papel é o da ex esposa falecida (sorry spoiler)


Alice faz aniversário e a melhor amiga convida o ex, o ex-pai-da-garotinha e o cara do bar que ela (a protagonista) teve uns "lances". O ex diz que se arrependeu mesmo estando de casamento marcado, eles quase transam e do nada ela lembra do que a amiga disse: que ela sempre acaba caindo no "pênis movediço", ela esquece dos sonhos, se torna uma ameba por causa do relacionamento e quando acaba é que lembra dos amigos e demais. E é nessa parte que ela dá uma guinada na vida dela sabe, e os outros personagens também. Como a irmã que decide ter um bebê e fazer produção independente, mas no final ela conhece um cara legal e dá tudo certo (essa parte é bem amorzinho), ou a menina viciada em sites de relacionamento que nunca acerta uma, até encontrar um cara real. Tem também a melhor amiga louca que não quer um relacionamento até ter certeza de que vai ser legal e que ela pode ser ela mesma (Digo que ela é louca porque mesmo tendo dinheiro, faz de tudo pra sempre os outros pagarem as coisas pra ela e também porque ela bebe demais e faz coisas engraçadas o tempo todo. Fora o figurino ser tão divertido quanto ela).


Então eu passei horas pensando nisso, como falei no começo e até quando nós estamos abdicando dos nossos sonhos por um relacionamento que pode acabar na próxima semana? Ou moldando a nossa personalidade sem motivos? Digo, ajustes são precisos, nenhum relacionamento funciona com murros em ponta de faca, mas, se fundir com a outra pessoa não é necessário, sabe?
Com isso, deixo vocês com essas reflexões e cinco lições que o filme passou.
1. Não é um filme idiota que fala sobre mulheres e festas.
2. É um filme que fala sobre relações e como a sociedade enxerga as mulheres solteiras.
3. Mostra a realidade das mulheres: ou elas TEM que aproveitar a vida ou elas TEM que estar em um relacionamento e como nós acabamos nos anulando e esquecendo dos nossos sonhos ao entrar num namoro.
4. Como a nossa necessidade de estar com alguém pode afetar nosso desenvolvimento e amadurecimento.
5. E finalmente, que nós não precisamos de ninguém para sermos felizes, porque a felicidade e a satisfação está somente em nós mesmas!
Mais uma coisa!
Somos livres, não precisamos de pessoas pra nos fazer feliz, a felicidade está em nós mesmos. Isso é o princípio para o amor próprio! É difícil? É, mas no final da sua vida você vai olhar pra trás e pensar que fez a coisa certa consigo mesma e com sua vida!

16 comentários:

  1. Não sei dizer, pra mim tudo parece uma tentativa de tentarmos encontrar o cara perfeito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E sabemos que esse cara perfeito não existe, né?

      Excluir
  2. Sabe que eu estava exatamente pensando sobre as conclusões a que chegou? Comecei a responder uma tag até que cheguei à questão "Qual a pior coisa que alguém pode fazer em um relacionamento?" Acho que a resposta está no teu post e também no filme, né?
    Estou com muita vontade de assistir e depois de ler teu post... a vontade aumentou!
    Adorei!

    Um beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assista! Tem um livro também que eu penso em dar uma olhada para ver se é bom ou é um tipo de lista baboseira que fizeram para ensinar mulheres a serem solteiras!

      Excluir
  3. Esse filme me fez refletir sobre o relacionamento em que eu estava, e sobre a maneira que estava levando a minha vida. Acho que eu me encaixo na situação de "pênis movediço" (não apenas né, já que eu também já namorei mulheres haha), eu tinha o costume de me remodelar para me adaptar à pessoa que amava, e isso me apagava. Hoje em dia tenho total noção disso, e sei que estarei mais madura quando acontecer de entrar num relacionamento.
    O que eu gostei do filme foi que mostra toda a trajetória da Alice, desde a dependência em namoro até o aprendizado em saber lidar com sua própria solidão afetiva. Eu amei o filme.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saber lidar consigo mesmo é difícil, nós sabemos, mas é tão bom! Ontem eu andei sozinha por Porto Alegre e foi tão agradável! Não ter que ter alguém a tira colo te enchendo por causa da hora etc.

      Excluir
  4. Eu gostei, fiquei interessada em assistir o filme. Acho que o amor-próprio é primordial até para que uma relação a dois dê certo. É preciso que a gente saiba ser feliz só pra ser feliz com alguém.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Siiim, e é tão difícil da gente encontrar!! Eu ainda estou na luta!

      Excluir
  5. Acho que principal lição do filme: para de aprender a amar a si mesma parar poder amar outra pessoa; comece a amar a si mesma pq você é a única pessoa que tem que conviver 24/7 com você.

    ResponderExcluir
  6. adorei esse filme <3 muito legal a mensagem que ele passa
    http://dose-of-poetry.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Eu tive uma longa solteirisse de 26 anos e estou casada a 9 meses. A solteirisse me ensinou muita coisa boa para saber como agir no casamento.
    É muito louco imaginar que as pessoas tentam se fundir em uma quando entram em um relacionamento. Já falei pro Antti que se isso acontecer eu surto HSUIAHUISHUIHUSH
    Adorei a reflexão sobre o filme!
    Sorteio Coleção percy Jackson e os Olimpianos | A Bela, não a Fera Youtube | Converse comigo no Twitter!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Siim, gente, eu me dei conta de que estava fazendo isso, dai comecei a me desintoxicar e a sair sozinha ou com amigos, mas mais sozinha mesmo, fazendo amigos pelo caminho! É bom!

      Excluir
  8. Cara, acho que tô precisando assistir esse filme pra refletir mais sobre relacionamentos. Sério, tô precisando e_ê Vou ver se acho na internet pra ver online.
    E sobre sua resenha: sabe quando você lê algo de alguém e fica *vamos ser amigasssss, temos tannntos pensamentos em comummmm, podiamos conversar sobre várias coisas legaisssss*? Então, eu lendo, prazer huehuehuehue >_< Ah, a resenha, eu adorei as lições que você destacou e o que mais me chamou a atenção foi o trecho sobre como a sociedade enxerga quem quer morar sozinha sem ser com um namorado/marido ou amigo/a... As pessoas te olham e devem pensar "essa mina é loka, deveria casar primeiro pra ter alguém pra ajudar com as despesas" e você olha pra pessoa querendo dar uma voadora hehehe


    Beijos :*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. HAhahaha veeeem, vamos ser amigas siim! Assiste, é ótimo, te faz repensar várias coisas!

      Excluir

Deixe um comentário aqui!
Comentário sujeito a moderação.

Era uma vez, uma menina... © Copyright 2011 - 2016. - Versão 9. Little nymph. Ilustração Martina Naldi. - Original de Muryel de Oliveira. Tecnologia do Blogger.