Dia das Crianças + Fotinhos!


Dia das crianças: que coisa é essa tão esperada por todos nós (ou a maioria) por durante, no mínimo, quinze anos de nossas vidas?

Alguns falam de São Cosme e Damião e outros de uma data promovida pelo capitalismo, mas veja bem, atualmente tudo é movido pelo capitalismo, até nosso estado religioso é. Na minha infância, por ser a filha e neta única (e fora que antigamente nada era tão caro como hoje), eu ganhava muitos brinquedos, sei que a maioria eram de 1,99 mas eu era feliz, famosa frase de adulto mal amado “Eu era feliz e não sabia”.

Eu brincava de casinha (com toalhas de mesa da minha mãe ou cobertas/lençóis), na terra, corria de pés descalços, empinava pipa e por aí vai. Jogos e brincadeiras que não influenciaram na minha sexualidade ou gênero, apesar de o brinquedo mais desejado por mim era uma casa de Barbie rosa e de plástico que era de montar. Eram peças da casa separadas. Eu namorava aquele brinquedo Made In China na lojinha do lado da casa da minha avó. 

Eu gostava também de ser pessoas, fazia maquiagens de velhinho (com um lápis prata de olho da minha mãe), vestia as roupas do meu pai, colocava os sutiãs da minha mãe, sapatos dos dois etc. Eu queria ser um adulto naquele momento, não sempre, mas a gente vai crescendo e as coisas vão ficando cada vez mais difíceis. 

Mas, sabe, eu era uma criança chata, era muito sozinha e queria atenção o tempo todo, brincar, ganhar e dar carinho etc. 

Acho que ainda hoje tenho um pouco disso, de falta de carinho e atenção. Acabamos trazendo coisas da infância pra vida adulta, às vezes coisas boas e outras nem tanto. Com isso, ou abranger um ótimo bom senso ou ter um bom psicólogo. 

 Feliz dia das crianças, não tragam os traumas pra fora hoje como eu faço às vezes. 

Imagens da infância!







Lembrando que eu participo:



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe um comentário aqui!
Comentário sujeito a moderação.

Era uma vez, uma menina... © Copyright 2011 - 2016. - Versão 9. Little nymph. Ilustração Martina Naldi. - Original de Muryel de Oliveira. Tecnologia do Blogger.