Quando a exclusão bate a porta

Hoje eu desatei a chorar embaixo do chuveiro pelas dores e cortes mal curados. Minha mãe me deu um colo improvisado, me abraçou e deixou eu soluçar enquanto tentava contar o que eu estava sentindo. Acho que eu poderia ser um pote de água do tamanho do universo, e mesmo assim eu estaria sempre transbordando. Eu juro que vou tentar me explicar, são vinte e um anos sendo a excluída, a que sobra nos grupinhos, a que não dorme na casa das amigas, a que não é chamada pras festas, a que é trocada porque um amigo começou a namorar, a que as pessoas mudam de lugar, mudam minhas coisas de lugar para poder sentar perto de outro colega. Gente, isso dói. Certas coisas jogadas na cara também. Dói como as pessoas conseguem ser frias e achando que são íntimas podem diminuir alguma capacidade tua.

Normalmente gente como eu acaba pagando de trouxa, o cara que junta todo mundo na festa, e quando da merda a culpa é dele, porque ele que teve a ideia. Sou a que é culpabilizada por alguma coisa em algum momento. Sou a que as pessoas xingam em voz alta e todo mundo acaba parando e olhando. Só, uma coisa que as pessoas se esquecem é que eu tenho uma boa memória, e quando precisam de mim para fazer alguma coisa, elas logo me convocam. A gente se torna um objeto, não uma pessoa, e então, dói mais ainda.

TPM conta? Acho que sim, hoje eu só queria um colo, um cafuné, um carinho, só isso. Acabei só recebendo patadas, meu computador estraga, eu grito e isso me fere, meu professor é meio chiliquento e grita em aula comigo falando que meu professor da bolsa me mima demais, só porque eu pedi um livro emprestado para fazer um trabalho e me livrar daquilo de uma vez, até porque não é uma disciplina que eu estou matriculada formalmente, eu só assisto. Entre o fato de todo mundo aqui em casa resolver dormir cedo e deixar a querida aqui sozinha, sendo que eu falei que também iria fazer tal coisas antes de dormir, mas todos passaram na minha frente. Me senti jogada de lado, desde o professor que não ouviu um relato meu, aos colegas que também não ouviram. As pessoas que puxam discussão mesmo sabendo que tu não está bem.

Sabe gente, Maslow, um cara bem importante já dizia que o ser humano necessita de algumas coisas básicas em sua vida: necessidades fisiológicas, de amor, de segurança, de fazer parte de um grupo é mais algumas que eu não lembro. Portanto, fazer parte ou sentir-se parte de um grupo é muito importante para a saúde física, emocional e mental do ser humano. Acho que ninguém aqui é um lobo solitário, ou é? É em prol de pessoas que são minimamente parecidas comigo nesse aspecto que eu estou escrevendo as 1h e 17 minutos da manhã. Espero que esse texto sirva para alguma reflexão. Uma boa semana para todos.

6 comentários:

  1. Como papai diz não dá bola,tudo passa,tudo é aprendizado, amigos não temos, colegas talvez,infelizmente o mundo gira em torno do umbigo das pessoas, elas só querem bem pra si,os outros que se danem, e amigos são os dentes e assim mesmo mordem a língua, como diz vovó. É isso segue o barco que a vida continua sem escala.

    ResponderExcluir
  2. :( Espero que este sentimento passe logo, ninguém merece se sentir por fora. Houve uma época da minha vida em que vários fatos levaram a me sentir desta forma, e cara, foi o pior sentimento que consigo me lembrar de sentir. E mesmo assim, eu sabia que ainda haviam pessoas lá para mim. Não deixa a angustia te levar para baixo não, tá? Se quem te rodeia não esta dando conta, vai conhecer gente nova que te valorize. O mundo ta cheio de maravilhas ambulantes para ser exploradas.
    Beijos!

    Blog Insaturada
    Facebook
    Instagram do blog
    Instagram Pessoal

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Flor, está sendo bem difícil em alguns momentos superar alguns traumas do passado que acabo trazendo pro presente.

      Excluir
  3. Oi Muryel, boa tarde :) Só quero te dizer que eu sei como você se sente. MUITAS vezes AINDA me sinto assim (digo o ainda, pois quando eu era criança era mais frequente). Quero te dizer outra coisa também: Você é linda e maravilhosa. Infelizmente nascemos sozinhos e parece que essa coisa de andar em "grupo" na sociedade faz com que nós "sereszinhos humaninhos" nos encontre no mundo ... MAS ... quando se é um passáro, as asas batem mais rápido ... :)

    Beijos!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada meu bem, de verdade. Hoje o dia com o psicólogo foi longo, ele me deu uns puxões de orelha, mas estou bem.

      Excluir
  4. Queria te abraçar neste momento. Porque eu te entendo. E como. Me manda um e-mail pra gente conversar sobre isso e eu te contar um pouquinho da minha experiência, tem momentos que desabafar alivia. thaynaramoretti@outlook.com

    Beijos de luz!

    ResponderExcluir

Deixe um comentário aqui!
Comentário sujeito a moderação.

Era uma vez, uma menina... © Copyright 2011 - 2016. - Versão 9. Little nymph. Ilustração Martina Naldi. - Original de Muryel de Oliveira. Tecnologia do Blogger.