Das coisas que talvez eu saiba


Há coisas que talvez eu saiba
Mas nego
Por medo ou imaturidade
Como o fato de eu te ver 
Em minha mente
Todos os dias 
Ou o fato de eu desejar ter-lhe
Nos braços
Somente mais uma vez
Afagar seus cabelos negros
E beijar os seus olhos cinzentos
De adormecer com o calor do seu corpo
Contra o meu
Sentir sua respiração contra minha própria pele
Pois lhe daria, se pedisse
Poder tocar as curvas dos dedos
E desenhar o arco da sobrancelha espessa
Ou o vinco do lábio superior rosado
Quem me dera que um sonho me levasse
Novamente ao seu encontro
Amor das minhas vidas
Alma que é parte da minha
Aguardo seu retorno
Para o ventre que carrego somente para o dia
Que dele tu puderes nascer
Para o bebê que sonhei ser meu filho, um menino lindo que chamei de Mikhail.

6 comentários:

  1. Poema lindo demais, Muryel *o* me emocionei!

    ✦ ✧ http://bruna-morgan.blogspot.com ✧ ✦

    ResponderExcluir
  2. Que foto linda. Que poema mais ainda!
    Sou chata pra esse estilo literário mas esse me lacrimejou aqui hehehe <3
    Já tive diversos sonhos com bebês meus, geralmente menina. É um amor que sinto que absolutamente impossível de tão maravilhoso. Espero sentir isso acordada um dia, e por mais de um bebezíneo!

    Beijão

    ResponderExcluir

Deixe um comentário aqui!
Comentário sujeito a moderação.

Era uma vez, uma menina... © Copyright 2011 - 2016. - Versão 9. Little nymph. Ilustração Martina Naldi. - Original de Muryel de Oliveira. Tecnologia do Blogger.