Máscaras


E as brumas das incertezas se dissiparam
E na décima segunda badalada
As máscaras caíram

O salão cheio de espelhos
Mostrou silhuetas sem rostos
Molduras adornadas para almas vazias

E eu era a única alma viva
Dentre tantos naquele baile
A unica imagem refletida no espelho

E aqueles olhos profundos e sedutores me hipnotizaram
E seus lábios desejavam meu sangue doce
Eu estava no covil do morcego, daqueles que fogem da cruz

A lua brindava ao banquete
As lágrimas me escorriam na face pálida
O coração acelerado, suplicando aos céus por ajuda

O meu vestido cor de fogo e os lábios pintados, rubros.
Eram um convite, eu era o banquete
Eu era a corça e eles os lobos

A máscara caiu, meu bem, não se esconda mais nas sombras do quarto
Eu vi seu pior ângulo, sua silhueta sem rosto no espelho
Eu sou a luz, o amor e a vida, não roube isso de mim

Sinto muito, meu caro, mas está é a última noite em que serei seu banquete
Sua máscara caiu, eu vi seus olhos negros desejarem meu pescoço
Não por amor ou desejo, mas por sede de sangue

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe um comentário aqui!
Comentário sujeito a moderação.

Era uma vez, uma menina... © Copyright 2011 - 2016. - Versão 9. Little nymph. Ilustração Martina Naldi. - Original de Muryel de Oliveira. Tecnologia do Blogger.