Pétalas Azuis - Capítulo 1 – A abelhinha descuidada


 “As mais incomuns rosas azuis, porém mais belas do que as rosas comuns. Ele é como uma flor azul. É rara, todos querem tocar, mas tem medo de se aproximar, pois seus espinhos são venenosos...”

Vou contar a história de Shou e de como ele entrou em minha vida como uma tempestade de verão, devastadoramente. Era o primeiro dia de aula 25 de fevereiro, estava terrivelmente quente e eu procurava loucamente por meu melhor amigo Haru. Dei a volta no colégio chegando até o jardim dos fundos, onde embaixo de uma enorme árvore estava deitado, de olhos fechados um rapaz, que nunca havia visto.

Cheguei mais perto para ver os detalhes daquele lindo estranho. Ele parecia ser bem alto, era magro e tinha a pele bem clara. Seus cabelos eram loiros e lisos, descendo gentilmente até a altura do pescoço e falando em pescoço, o dele tinha uma tatuagem em forma de colar, um colar de espinhos tramado em sua pele.

Seus olhos se mexeram levemente assustando-me e entreabrindo os finos lábios aquele lindo estranho esboçou um sorriso. Suas sobrancelhas levemente finas e arqueadas tremiam levemente. Sua respiração acelerara derrepente, sua camisa que estava aberta até a metade mostrava um peito agitado, será que ele estaria tendo um pesadelo?

Então do nada e em um ato espontâneo, ele se senta, assustado como quem acorda de um sonho ruim. Seus olhos estavam fixos nos meus, assustei-me e cai sentada, estávamos perto demais um do outro, seu movimento repentino me pegou de surpresa, porém, ainda assustado não tirava os olhos dos meus e aos poucos parecia se acalmar.

– Você está bem? – ousei perguntar com minha voz tímida e baixa.

Ele então se inclina na minha direção, repousando sua testa no meu ombro. Podia sentir sua respiração quente na minha clavícula, eu estava dura como pedra, como ele podia estar me tocando se nós nem nos conhecíamos?

Ficamos assim durante uns cinco minutos, eu já começara a ficar impaciente, e minha resposta? Porque ele estava tão assustado? Aquele silencio todo estava me corroendo por dentro, então quando estava prestes a perguntar novamente seus lábios se abriram roçando na pele a mostra do meu ombro, sussurrando lentamente.

– O que você estava fazendo tão perto de mim abelhinha descuidada? Não sabe que sou venenoso? – Sua voz era doce e maliciosa, embriagante.

– Eu... Eu só estava me perguntando quem era você e o que fazia dormindo aqui! – porque minha voz está tão tremula e insegura? O que há de errado comigo? Pensei.

– Shou, meu nome é Shou. Sou novo aqui. – ele continuava roçando os lábios na minha pele, passando lentamente para minha clavícula. – Uma dica! Mantenha-se longe de mim, não sou uma boa pessoa, sou como a Aobara a flor venenosa! – ele gentilmente beijou minha clavícula, se afastando lentamente.

Shou se levantou, me deixando em choque, sentada do mesmo jeito que cai quando assustado ele acordou. O lugar onde seus lábios passaram estava quente e formigando, o que era aquela sensação louca e descontrolada? E porque com aquele garoto desconhecido e enigmático.

Ele estava a uns quatro metros de mim quando me dei conta, estava virada para trás, gritando loucamente para aquele garoto hipnotizante.

– Hakura! Meu nome é Hakura! – meu peito doía, meu coração quase saia pela boca, era loucura e eu sabia, mas ele precisava saber quem era eu, ele precisava!

Ele sorriu, olhando por cima do ombro seus olhos castanho-avermelhados eram encantadores. Então com aquele mesmo tom malicioso ele sussurrou.

– Cuide-se minha abelhinha perdida!

E foi embora. Ele é como uma Aobara, a rosa azul. É bela, hipnotizante, mas, os espinhos que a cercam são intensamente venenosos e mortais, poucas as pessoas que se arriscam em tocá-la, e menos ainda sobrevivem para contar como é tocar a rosa azul.
~ Essa História prova que até mesmo dentro da fera mais perigosa, da flor mais venenosa, existe um coração, uma abelhinha que consegue colher o pólen sem se envenenar ou se embriagar com a Aobara. A única que a toca e sobrevive, e por isso entende a solidão da beleza e o castigo do veneno. ~

Um comentário:

  1. Capítulo emocionante, fiquei como a Hakura, hipnotizada pelas do Shou *-*. As descriçoes são delicadas e envolventes, eu amei esse primeiro capítulo Mury-chan, duas estórias lindas vc esta criando! Parabéns!

    Bjs

    daimaginacaoaescrita.blogspot.com

    ResponderExcluir

Deixe um comentário aqui!
Comentário sujeito a moderação.

Era uma vez, uma menina... © Copyright 2011 - 2016. - Versão 9. Little nymph. Ilustração Martina Naldi. - Original de Muryel de Oliveira. Tecnologia do Blogger.