8 de Março


Já ouvi que ele teve ‘mulheres de todas as cores’ (mas quando uma mulher diz isso, o que dizem que ela é, hein?). Que as solteiras são ‘tristes’, que algumas são ‘loucas’ ou quem não ouviu daquelas que são consideradas ‘más’. Li certa vez que para uma mulher ter sucesso ela precisa de dinheiro, tempo e espaço, principalmente se for escritora. Que ela acaba sendo má ao abandonar os filhos ou não se curvar ao marido e a família.

Ouvi das agressões importas as minhas antepassadas por serem ‘mujeres fuertes’, por beberem, fumarem, foderem, por serem livres e ‘masculinas’. Ouvi contarem dos metros de terra que minha avó cavou ou como sustentou a família lavando roupas para fora. Ouvi contarem dos abortos espontâneos por causa da miséria, ouvi das violências contra corpo, alma e o coração, ouvi com lágrimas contidas sobre assaltos que viraram invasões, ouvi minha mãe perguntar ‘ele te machucou?’ quando cheguei em casa aos prantos quando fui assaltada a mão armada.

Me falaram esses dias ‘e tu não tem medo de voltar tarde da faculdade? Está tão perigoso!’ eu respondi que não, mas no fundo, sim, eu tenho. Basta ser mulher para morrer, para ter seu corpo violentado, objetificado, sexualizado, exposto, invadido, agredido de todas as formas possíveis. Ser desrespeitada e não levada a sério. Porque o que conta é a quantidade de homens com as quais dormi e não de quantos livros eu li no ano ou quantos estão na minha prateleira. Não importam minhas palavras fortes e bem colocadas, mas as fotos obscenas que eu posto mostrando peito, bunda e buceta. Porque nessas horas eu não vou ‘medir as palavras’ ou ‘sentar como mocinha’, eu vou dizer, eu vou gritar por aquelas que se calaram ou que foram caladas. Eu vou lutar, por aquelas que não tem mãos ou pernas para protestar. Eu vou chorar por aquelas que nasceram e rezar por aquelas que se foram. Vou agradecer as memórias de dor e amor que me foram passadas e que estão presentes em cada centímetro da minha pele ou no modo que meus pelos se eriçam.

Porque não importa o que façamos, o que conquistamos, o que escrevemos, desenhamos, compramos ou da forma que agimos, nós somos mulheres e lá fora sempre nos farão achar que somos menos importantes, inferiores ou sujas. 
Eu lhes digo, força!

Feliz 8 de março para as guerreiras que me pariram, que me nutriram e deixaram eu beber das suas histórias!

6 comentários:

  1. Só li verdades... Infelizmente né? Não é tarefa fácil ser mulher... Amei o texto, as vezes na correria do cotidiano esquecemos de penser nessas coisas e elas são importantes pra caramba!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ninguém nunca me disse que seria, então nunca esperei menos que isso, mas né, estamos aí ainda!

      Excluir
  2. uau, Muryel, é exatamente assim que me sinto com relação às minhas antepassadas! Elas passaram por tantas coisas pra eu poder ter um pouco mais de liberdade!
    Eu prezo muito pela história de todas elas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No livro Mulheres que correm com os lobos diz exatamente isso! Elas estão abaixo dos nossos pés, nos sustentando com seus ombros fortes!

      Excluir
  3. Complicado, né? A gente lidar com tudo isso diariamente... E o pior tem que sorrir no dia em que te dão uma flor, um chocolate, um "feliz dia da mulher!" porque nós precisamos de um dia pra ser tratadas com respeito, e o pior dos piores? Mulheres reclamando quando você diz que esse dia não trás nada de bom.

    Espero, de verdade, que no futuro a gente consiga se erguer ao ponto de que nosso medo se torne inviável e que mulher seja tão humana e forte quanto um homem aos olhos dos outros porque ao meu ver mulher é e sempre foi um ser superior. Superior sim, não igual. O mundo sem mulheres seria uma merda pra não dizer que não existiria. O dia da mulher é todo dia.

    www.paleseptember.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acho que somos todos diferentes e isso é lindo, basta se respeitar. A merda é que ninguém respeita ninguém e vem os omi dizer que mulher é isso e é aquilo, não só mulher né, todas as minorias. No momento que uma pessoa veio e disse "fulano é fraco, fulano é forte e fulano é menos importante" foi que fodeu com tudo. Maldito patriarcado e o ego inflado dessas pessoas que acham que estão certas diminuindo os outros!

      Excluir

Deixe um comentário aqui!
Comentário sujeito a moderação.

Era uma vez, uma menina... © Copyright 2011 - 2016. - Versão 9. Little nymph. Ilustração Martina Naldi. - Original de Muryel de Oliveira. Tecnologia do Blogger.