Quando nos sentimos solitários entre a multidão


Leiam ouvindo Oceans - Seafret.


Às vezes temos essa sensação, de que estamos completamente sozinhos. Isso pode acontecer no meio de uma balada "daora”, numa festa de família, no meio do sexo (sim, e é bem chato quando acontece nesses momentos), no meio da aulinha super bacana de quinta-feira à tarde. Isso pode acontecer a qualquer momento e em qualquer lugar, mas principalmente após uma briga com algum que lhe é especial. 

Sentir-se sozinho e órfão é ainda pior, isso me acontece às vezes, eu sinto como se não fizesse parte de algo, de um grupo familiar, de um grupo de amigos, nem de um time de futebol. O pior é quando se ouve algo como “eu não te reconheço mais como amiga/filha/namorada/pessoa/pokemon/etc”, isso realmente comprova para as mentes malucas de pessoas como eu que não faço parte daquilo, que não sou tida como algo ou alguém querido. Então, por favor, não usem essa frase após ler isso. 

Tem dias que ser chamada de autossuficiente é legal é gratificante, e tem aqueles dias como hoje que não é. Que te rasga por dentro. Dias como hoje, que tu percebe que alguma parte da pessoa que tu gostaria que te visse, não consegue te ver e te respeitar por amor como indivíduo. Ela sofreu seus momentos e está passando adiante, repetindo o mesmo padrão de um jeito totalmente diferente, embora ainda seja o padrão fracassado do “está tudo bem, é ela que é doidinha e gosta de complicar, coitado(a) de mim”

Se você está lendo isso é por algum motivo divino ou porque o facebook te sinalizou sobre essa publicação meio bosta, então, por mim, por você e pelos deuses, se avalie, não repita os mesmos padrões que recebeu de alguém, se olhe e se conheça antes de tentar achar que conhece os outros. Relacionamentos saudáveis regam pessoas mais felizes intrinsecamente. 
Boa noite, bom final de feriado. 

3 comentários:

  1. Oi Muryel! :) bom dia!

    Obrigada por compartilhar essa música.. caiu como uma luva para a minha manhã. Em relação ao texto, eu te entendo. Muitas vezes me sinto assim. E comecei a olhar pra dentro para transmitir para fora. Como vocÊ falou: se avalie.

    Beijos!

    ResponderExcluir

Deixe um comentário aqui!
Comentário sujeito a moderação.

Era uma vez, uma menina... © Copyright 2011 - 2016. - Versão 9. Little nymph. Ilustração Martina Naldi. - Original de Muryel de Oliveira. Tecnologia do Blogger.