(Na)Morar


A casa da gente
Pode ser um casebre
Ou uma mansão
Mas, isso não importa agora não

A minha casa é campo alegre
Sem início, nem fim
A minha casa é onde, cansada
Repouso a alma

Pela minha casa muitos passam
Mas, poucos realmente ficam
A minha casa é morada do sorriso solto
E dos bolinhos de chuva ao fim de tarde

Tem casa que abriga duas almas, um cachorro e um papagaio
Ou, tem aquelas que abrigam os corações e sonhos perdidos
Na minha casa, eu abrigo meus amigos
Alguns amores e poesia

Eu me pergunto: Por que tem casas como a minha
E outras totalmente vazias?
É injustiça divina, fazer de pessoas casas cheias de magia
E outras jardins abandonados pelas flores

Acho que tem gente que nasceu pra ser morada
E tem gente que nasceu pra morar
Por isso, quando gostamos de alguém
Chamamos (na)morar

Então venha
Sem acanhamento
(Na)morar a minha morada
Tão cheia de bem querer!

Desafio proposto pela minha amiga Mirian Sodré, no facebook (quem quiser ver, clica aqui), em breve teremos mais!

4 comentários:

  1. Muito bom, Mury. Ta puxando mesmo em hahahahaha
    continue sempre com as poesias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahah obrigada Yuri, teus comentários são muito valiosos!

      Excluir
  2. Aiiiin vc mudou de design! Saudades dos seus visus ൵ury-nee-chan >-<
    Apesar q vou ter saudades do anterior...

    Caramba q lindo ;-;
    Amei especialmente essa quadra:

    Eu me pergunto: Por que tem casas como a minha
    E outras totalmente vazias?
    É injustiça divina, fazer de pessoas casas cheias de magia
    E outras jardins abandonados pelas flores

    Lindo lindo lindo >-<
    Parabéns pela sua criatividade! :3

    ResponderExcluir
  3. Ain *-* Obrigada! Fazia um tempão que eu não mudava né, quase um ano ou mais! Resolvi mudar um pouco a linha de cor!
    E que bom que gostou, ando bem inspirada a escrever atualmente!

    ResponderExcluir

Deixe um comentário aqui!
Comentário sujeito a moderação.

Era uma vez, uma menina... © Copyright 2011 - 2016. - Versão 9. Little nymph. Ilustração Martina Naldi. - Original de Muryel de Oliveira. Tecnologia do Blogger.