A História de Luciana


Luciana se via sozinha quase sempre, mesmo rodeada de pessoas e em festas badaladas, ela era do tipo que se entediava facilmente e que detestava as grandes multidões. Ela tinha um amor que mais parecia amizade, embora ele a quisesse só para ele, ela se queria para ela e nada mais.

Não era feminista, mas detestava o machismo, achava sem cabimento o tamanho do desrespeito dos homens (que, por sinal, nasciam de mulheres) para com ela. Luciana já foi chamada de vadia, fácil, sem vergonha e a melhor “a puta da galera”. Me responda você, quem em sã consciência não gosta de beijar? Sim, ela amava beijar e dividir um pedacinho de seu coração em cada beijo, em cada toque. Nada mais, nada menos.

Romântica ao extremo, do tipo que se afundava em cobertas e passava as noites lendo romances medievais e com amores impossíveis. Nada parecido com seu amor da vida real, dependente e dramático, vivia fazendo-se de vítima e criando casos, brigas etc.

Ao conhecê-lo Luciana caiu de cabeça no amor, não fazia nada sem pensar nele, tudo o que ela queria era passar mais uma hora dormindo ao seu lado todas as manhãs. Porém, ele parecia estar sempre insatisfeito com tudo, com a roupa dela, o cabelo, a forma como ela o tratava (e convenhamos, não era a mais doce, mas era a sua forma de ser doce), seu tom de voz, e finalmente, o mais importante, o tempo que ela dedicava a ele parecia ser sempre monopolizado por outra atividade mais importante que o ato de “babar o namorado”.

A garota nunca foi do tipo que sente ciúme ou que vive em cima das pessoas que ama, mas nem todo mundo entende isso, e ele era uma dessas pessoas. Seu relacionamento estava acabando, dia após dia e o que ela poderia fazer? Já havia feito de tudo e nada parecia ter surtido efeito, ela parecia ser sempre a errada da relação e o namorado, o lindo e perfeito.

Ela estava enojada, e no dia em que fariam aniversário de namoro, sua suplica e seu último fio de esperança se extinguiram, ele foi, mais uma vez, rude com ela. Acabou, ela disse, foi a gota d’água, nunca mais homem algum fará isso comigo novamente. Então, ela foi até a cozinha da casa dela, onde estavam jantando para comemorar aquela data mega especial, pegou uma faca e arrancou seu coração, mesmo chorando, seu sofrimento parou no instante em que seu companheiro de tanto tempo parou de bater, olhando para ele, Luciana disse: “Nunca mais, ninguém nos machucará novamente.”.

No dia seguinte era manchete no jornal local: “Garota amargurada arranca coração e em seguida mata namorado com 47 facadas no peito”. Luciana nunca mais se sentiu só entre a multidão, porque na prisão a puseram no isolamento, alegaram ser insana e incapaz de manter a própria vida a salvo. Hoje, ela e seu coração não sofrem mais.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe um comentário aqui!
Comentário sujeito a moderação.

Era uma vez, uma menina... © Copyright 2011 - 2016. - Versão 9. Little nymph. Ilustração Martina Naldi. - Original de Muryel de Oliveira. Tecnologia do Blogger.