Liberdade



Hoje eu vejo com outros olhos
Tudo o que vivi
Tudo o que passou
E todos que amei

Pessoas insensíveis e calculistas
Garotos rebeldes e sem futuro
Garotas interesseiras e fureis
Familiares ignorantes e bitolados

E realmente de onde se menos espera
A salvação aparece
São como braços acolhedores
Que te seguram forte

O amor, realmente o amor
A compreensão e a liberdade
A segurança e a certeza
Sem julgar, somente a amar

Gosto da minha vida simples
A simplicidade é por direito livre
Corpo preso ao chão, mente no ar
Pensamentos insanos e conflitos pessoais

Meu modo de pensar me assusta, às vezes
Assusta a todos, sempre
E como são limitados para me entender
Reprimem-me ferozmente

Amo tudo o que é velho
O velho é clássico
Música, arte, arquitetura, moda, literatura
Já as pessoas, algumas, às vezes

Os mais velhos bitolados não vêem que tudo mudou
Deus me perdoe, pois serei velha, um dia, talvez
Mas, mesmo os velhos podem abrir suas mentes e voar
Se libertar de todas as correntes do passado

E o que dizer dos mais novos
Mentes insanas preenchidas com parafusos e pregos
Bocas que cospem fumaça
Corpos movidos a álcool

São máquinas mal feitas e não programadas
A juventude de hoje está perdida
Ninguém acredita em sentimentos
Desconhecem o amor

Animais ferozes são mais sensatos que o próprio bicho-homem
Oh deus, socorra esse mundo
Onde os velhos reprimem
Onde os jovens se rebelam
Liberte o mundo, preenchendo-o de amor
Crie uma dimensão onde não haja dor
Onde a liberdade seja sentida em cada canto
 Um mundo onde ninguém mais tema

Um mundo onde todos pensem com suas vontades
Onde cada um seja único, diferente e insubstituível
Um lugar sem preconceito
Onde a lua e o sol nasçam juntos e nunca se ponham!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe um comentário aqui!
Comentário sujeito a moderação.

Era uma vez, uma menina... © Copyright 2011 - 2016. - Versão 9. Little nymph. Ilustração Martina Naldi. - Original de Muryel de Oliveira. Tecnologia do Blogger.