Pétalas Azuis - Capítulo 3 – Meu querido aniversário



Vestia-me enquanto Haru tomava seu banho. Tirei todas as roupas do guarda-roupa à procura de algo perfeito. Até que, no fundo encontrei meu vestido favorito, cujo usei poucas vezes com medo de estragar. Era lindo! Todo branco e com bordados nas cores, azul e pérola, o tecido era delicioso, leve e delicado, caia feito uma luva em meu corpo desajeitado.

Agora que parei para pensar, meus vestidos são quase sempre do mesmo modelo. Ou balonê ou soltinhos do busto para baixo. Vesti-me e fui para frente do espelho, o que faria no cabelo? Cachos talvez? Sim, sim, cachos! Comecei a enrolá-los lentamente, já que estavam molhados, os juntando no topo da cabeça e os prendendo com uma presilha em forma de flor, delicada e com algumas pedras azuis incrustadas na mesma.

Coloquei uma pulseira bem delicada e um anel. Passei a mascara para cílios e um gloss, só, e fui para sala. Chegando lá, sentei-me no sofá a espera de Haru, que devia estar se aprontando. Viajei em pensamentos, eram tantos, nada com ligação, todos variados. Até que meus pensamentos chegaram a alguém inesperado, Shou, aquele garoto misterioso e supostamente venenoso.

Aqueles momentos em que estivemos um na presença do outro pareciam vivos em minha mente, como se estivesse acontecendo naquele exato momento. Cada detalhe, cada sensação, cheiro, tudo era tão real me minha imaginação fértil. Porém, infelizmente, fui interrompida pela chegada de Haru, que estava incrivelmente lindo em roupas casuais.

Aquele corpo magro vestia uma regata branca, e uma camisa xadrez de mangas curtas por cima, sua bermuda era simples e pouco esportiva, porém, com alguns bolsos. Seu cabelo não estava do jeito habitual, liso e bagunçado, e sim liso e arrumado, nada muito certinho, mas, estava bom.
Haru me fitou longamente e logo olhou para o relógio, um tanto impaciente. E com aquele tom calmo e atencioso ele me perguntou gentilmente.

– Vamos? Ou pretende mesmo passar a noite no sofá? – fazia anos que não via aquele sorriso descontraído no rosto do meu velho amigo.

Pus-me de pé, pegando a pequena bolsa que levaria nela continha um gloss, um espelho, minha carteira, celular e outras coisas essenciais. Haru foi em direção da porta, calçando os sapatos, fiz o mesmo, andando sempre atrás dele, até que do nada, após ter fechado a porta ele pega minha mão e a põe em seu braço, fazendo-me enganchar o meu braço no dele.

Corei de imediato, mesmo sendo amigos, fazia anos que não fazíamos isso, e nessas circunstancias, tudo seria meio constrangedor. Andávamos lentamente, o tempo já não estava tão quente, e uma leve brisa soprava constantemente. O sol estava se pondo e o tom avermelhado, misturado com rabiscos azuis faziam do céu uma visão do paraíso.

Não tínhamos um lugar definido para ir, apenas iríamos encontrar um lugar para jantar e nos divertir, já que era meu aniversário, eu poderia escolher. Andávamos pela rua olhando os bares e restaurantes, queria algo simples, embora ache que Haru pensava em algo mais elaborado.

Do nada, algo chama minha atenção, uma loja de Lamen, sorrio para Haru e fazendo sinal com a cabeça na direção a mesma, perguntando em silencio o que ele achava. Ele concorda, sorrindo docemente, fazia séculos que não saiamos para comer Lamen, sendo que fazíamos isso na saída do colégio no mínimo uma vez por semana, quando éramos amigos e morávamos em nossas casas, separadas.

Entramos e nos sentamos nos pequenos bancos perto do balcão, era tão bom tudo aquilo, nos olhamos, nem precisaríamos pensar no que pedir, seria o mesmo de sempre. Olhamos para o tio, o dono, nos perguntando se lembraria de nós, e quando aquele senhor com mais ou menos uns 60 anos nos olhou, soltou uma gargalhada e estendeu as mãos, pegando uma mão de cada um de nós.

– Haru e Haruka, certo? Ah, quanto tempo vocês não vinham aqui meus jovens! – ele nos analisava centímetro por centímetro. – E como cresceram, vocês Haru, está quase um homem e Haruka, ah Haruka, parece uma linda flor desabrochando, delicada como sempre!

Rimos, eu não pude conter a timidez, já Haru sentiu-se o homem do momento, com seus dezesseis anos e meio ele não era grande coisa, embora devesse admitir que estava cada vez mais lindo.

– Sim, isso mesmo! – respondi ainda rindo. – Faz muito tempo que não vínhamos aqui, acho que desde antes de meus pais viajarem!

– Ah, senhor, hoje é o aniversário da Haruka, dezesseis anos! – Haru, aquele fofoqueiro acabou contando ao tio da loja.

– É mesmo? Oh, meus parabéns menina! Então, me digam, o que vão querer? – ainda sorrindo ele nos pergunta.

Apenas nos olhamos e Haru disse, "o de sempre, se é que o senhor se lembra..", o velho ri e grita para alguém que estava mais no fundo...

– Dois especiais para os jovens!!

Ficamos ali, conversando enquanto o Lamem ficava pronto, os três pondo o papo e dia, quando um jovem grita do fundo, que os pratos estavam prontos e que já levaria para nós.

Sorrimos, mal podíamos esperar, eu abaixei a cabeça para arrumar a barra do meu vestido, que estava subindo e quando ouço aquela voz familiar dizer: "Aqui está...", levanto o rosto pronta para agradecer, quando não acredito no que vejo.

Shou na minha frente, segurando a minha tigela de Lamen, Haru já havia pego a sua e estava prestes a comer, quando para e nos olha, sem saber o que estava acontecendo ele tira das mãos de Shou e põe na minha frente aquela pequena tigela redonda e adornada na borda.

– O que foi Haruka? Vocês se conhecem? – ele nos olha, alternando o olhar entre eu e Shou.

Eu ainda estava embasbacada olhando para Shou, aquele que parecia tão misterioso, cruel e perigoso, estava ali, na minha frente, com um olhar amistoso e brilhante.

– Então é seu aniversário abelhinha! Parabéns... – ele sorri, consigo sentir traços daquele sorriso malicioso que vi de manhã, quando ele pega minha mão e a beija, me deixando vermelha como um tomate. – Obrigado por escolherem a Loja Chiyaki, que felizmente é do meu tio.

Ficamos os dois, eu e Haru, pasmos, eu sem reação e Haru sem saber exatamente o que estava acontecendo e esboçando um mal-estar nos olhos e lábios, algo compara com ciúmes talvez...

~Amores, sei que faz muito tempo que não escrevo Pétalas Azuis, mas ai está, sempre os deixando curiosos não é? Como a cada episódio de um anime. Espero que estejam gostando, e até o próximo capítulo!~

3 comentários:

  1. Desculpe novamente a demora Mury-chan, com o serviço a todo a vapor mal tenho tempo, mas ainda bem que o fim de semana esta ai e cá estou para comentar sobre esse fabuloso capítulo!

    Como já mencionei, suas descrições são ótimas, nos faz penetrar na estória como se estivessemos bem ali assistindo a tudo! Olha esse aniversário foi uma emoção, Shou uma sedução, gosto dele, mesmo ele dizendo que é venenoso *o*. Haru ainda é um enigma para mim, será que gosta da Haruka ou é apenas um ciume de irmãos?

    Bem, estarei na espera do próximo *-*.

    Bjs

    www.daimaginacaoaescrita.com

    PS: Obrigada pelos comentários nas minhas oneshots, amei todos, vc é demais Mury-chan *-*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha Sammy, >< acho que não é ciúme de irmão, eles são amigos de infância. E sabe como são os amores de quando somos pequenos, principalmente nos animes XD

      Excluir
  2. Olá,
    Parabéns pelo blog! Estou seguindo.
    Segue lá também..

    http://www.estanteseletiva.com/

    ResponderExcluir

Deixe um comentário aqui!
Comentário sujeito a moderação.

Era uma vez, uma menina... © Copyright 2011 - 2016. - Versão 9. Little nymph. Ilustração Martina Naldi. - Original de Muryel de Oliveira. Tecnologia do Blogger.