A Rosa de Miguel - Capítulo 1 – O Anjo e a Rosa


Essa história se passou a muitos e muitos anos, uma lenda, diga-se de passagem. É a história da linda rosa do Arcanjo Miguel, sua alma gêmea que caíra na terra após uma longa batalha.

A rosa branca que Miguel carregava junto ao peito era a representação de seu amor, de sua alma gêmea, ela o protegia como um escudo em todas as batalhas. Certo dia em uma luta que já durava anos, entre o tinir das lâminas e soprar das asas, Miguel, já exausto e começando a fraquejar ouve a voz melodiosa de sua amada sussurrar, lhe passando confiança.

– Meu amor! Estou aqui, sou sua força, seu escudo e juntos somos invencíveis! Nunca se esqueça disso, pois, estarei sempre contigo...

Aquela voz soava tão calma e confiante, se podia sentir o amor dos dois por todos os cantos, um amor forte, completo e incondicional. Algo maravilhoso e tão quente quanto o sol.

Miguel sorrira, firmando-se em pé, e como um sopro do vento, com apenas um golpe preciso cortou a cabeça do adversário que desapareceu no ar em forma de fagulhas de luz. Mesmo movimentando precisamente o arcanjo deixara algo escapar, não havia sentido, mas, o adversário tinha conseguido ferir o caule de sua rosa, fora apenas um arranhão e por isso ela agüentara sem reclamar.

O mesmo sentando-se apoiando as mãos em sua espada, de olhos fechados encostando a testa levemente sobre as mãos, suspirava aliviado que tudo aquilo havia acabado e ele poderia voltar a sua vida normal.

– MIGUEL... – ela gritara – Estou caind..oo...

Ele abrira os olhos, assustado e confuso, como caindo? O que estava acontecendo? Ele pensara e vasculhando por seu peito em busca da rosa viu apenas o caule cortado, quebrado. Então seguindo com os olhos a voz de sua amada pode vê-la caindo dos céus em direção a terra.

Mais que prontamente ele jogou-se nos céus, voando desesperadamente para tentar alcançar sua amada. O que fora em vão, pois, ela já estava perdida, entrara na entrada celestial da terra, o que significara que teria que encarnar.

Ela já em sua forma original, a de uma linda mulher e como seu ultimo ato, desesperada arrancara uma mecha de seu cabelo loiro e lançara na direção de Miguel. Chorando enquanto o olhava se despedindo ela sussurra.

– Estarei te esperando... Encontre-me, por favor...

Ele com o coração apertado, ainda voando na direção de sua amada que caia cada vez mais no “abismo celestial” da terra, com os olhos cheios d’água ele gritara para todos ouvirem.

– COMO A ENCONTRAREI? O QUE FAREI SEM VOCÊ MEU AMOR?!

Como sempre ela sorrira, ainda com os olhos cheios de lagrimas, mas com aquele olhar sereno de que todo ficaria bem. Ela então puxa a barra de seu vestido mostrando um corte em sua perna, que vinha desde a parte de cima do pé até a metade da canela.

– Assim você ira me reconhecer! Tentarei ter os mesmos cabelos loiros, pois, sei que você os ama... Até breve meu amor...

Estendendo a mão de forma que ele quase a tocou, ela sorrira pela ultima vez para ele, e os portões se fecharam, os separando entre o céu e a terra. Ela sozinha em um mundo desconhecido, esperando por seu amado e ele sozinho sem poder fazer nada, no lugar onde tudo a lembrava, onde teria que esperar até que pudesse buscá-la, e até lá só poderia olhar por ela a protegendo a distância.

[...]

Sentado, sem poder fazer nada, apenas olhando por sua amada e sua nova família. Sim, ela nascera em uma família rica, de certa forma, tinham uma vida boa. O pai era banqueiro e a mãe tinha uma loja de flores, mais por gostar das flores, pois, não precisava trabalhar.

Sua doce mãe que sempre quisera ter o nome de uma flor, mas, infelizmente não teve esse privilegio, recebera dos pais o nome de uma pedra, Safira, pelos lindos olhos azuis que enfeitavam o rosto envolto por longas ondas loiras, cuja filha herdara, Rose fora o nome que lhe dera, sua pequena rosa branca ela dizia alegre.

O pai era muito ausente, aquele tipo de homem sério e carrancudo, realmente alguém de poucos amigos. Preocupava-se muito com a família e temia em deixar as mulheres sozinhas, a mulher, à filha de poucos meses e a governanta, além dos empregados da loja, o que não influenciada muito.

– Miguel... Ainda está ai? – perguntara Emmanuel, preocupado com o amigo.

Miguel olhara por cima do ombro, mas logo voltara a olhar em direção a sua pequena amada. Após um longo suspiro, sentindo-se triste e solitário ele voltara ao amigo tentando manter a voz clara.

– Sim, sempre. Até eu poder ir até ela, ficarei olhando-a. Sabe Emmanuel, eu prometi a ela, que estaria para sempre ao seu lado, mas, não pude cumprir então só me resta esperar e guardar por ela...

~ Este foi apenas o primeiro capítulo. Não descrevi muito, mas, logo tudo ficará claro como a água! O amor desses dois é maior que o céu e a terra, maior que o universo! Embora separados por um curto tempo, não há distância que separe dois corações que se amam! Apenas aguardem por mais história de amor... ~
Gostou? Quer saber mais? Enter nessa página que está tudo explicado! AQUI

8 comentários:

  1. LINDOOOOOO TT^TT
    Vou divulgar ^^
    Espero por mais capitulos *-*

    Até o/

    ResponderExcluir
  2. Muito bom, Pessoinha apaixonada essa escritora hehe ... prendeu minha atenção quero ver mais capitolos >.< muito fofa você.

    ResponderExcluir
  3. Posta mais Mury_Chan quero ler mais capitulos, muito bom, né pessoinha apaixonada ^^

    Gostei continue com essa historia quero muito ler o resto O/// ti fofa

    ResponderExcluir
  4. Capítulo muito bonito. Sua descrição foi perfeita, dando para imaginar cada detalhe, voce tem uma grande estória e irie acompanhar esse belo romance criado por ti Mury-san. Parabéns, otimo capítulo!

    Bjs

    daimaginacaoaescrita.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Muito bom minina, você escreve muito bem.
    Deve investir neste don!

    Kissus

    ResponderExcluir

Deixe um comentário aqui!
Comentário sujeito a moderação.

Era uma vez, uma menina... © Copyright 2011 - 2016. - Versão 9. Little nymph. Ilustração Martina Naldi. - Original de Muryel de Oliveira. Tecnologia do Blogger.